Special Imóveis

Imobiliária na Zona Leste - SP

Das escrituras de venda e compra

Todas as informações básicas e necessárias para que você efetue sua venda ou compra de forma segura!

O que é?

A Escritura de Compra e Venda é o ato lavrado no Tabelião de Notas por meio do qual uma das partes vende, mediante recebimento do preço, determinado bem (móvel ou imóvel) para outra.

Como é feita?
 
A escritura de compra e venda deve ser feita no Tabelião, mediante agendamento prévio, para que seja coletada a documentação necessária à realização do negócio jurídico, bem como para que sejam feitos eventuais esclarecimentos às partes.

Na data marcada, os interessados devem comparecer ao cartório, de posse de seus documentos pessoais originais, para a assinatura da escritura.

A escritura pública é obrigatória para a transferência de bens imóveis de valor superior a 30 salários mínimos.

Atenção: Depois de lavrada a escritura de compra e venda do imóvel, ela deve ser registrada no cartório de Registro de Imóveis. Você pode solicitar que o próprio tabelionato providencie esse trâmite junto ao registro imobiliário, mediante pagamento de despesas extras para tal providência.

– Documentos Pessoais necessários:

– Vendedor Pessoa Física:


– RG e CPF originais, inclusive dos cônjuges;

– Certidão de Casamento: se casado (a), separado (a) ou divorciado (a).

– Certidão de óbito: se viúvo (a).

– Pacto antenupcial registrado, se houver;

– Informar endereço;

– Informar profissão.

– Vendedor Pessoa Jurídica:

– Número do CNPJ para obtenção da certidão via internet;

– Contrato ou estatuto social, última alteração e alteração em que conste modificação na diretoria;

– Certidão Conjunta de Débitos da Receita Federal (PGFN);

– RG, CPF, profissão e residência do diretor, sócio ou procurador que assinará a escritura;

– Ficha Cadastral da Junta Comercial ou do Registro Civil de Pessoas Jurídicas.

– Compradores:

– RG e CPF originais, inclusive dos cônjuges;

– Certidão de Casamento: se casado (a), separado (a) ou divorciado (a).- Certidão de óbito: se viúvo (a).

– Pacto antenupcial registrado, se houver;

– Informar endereço;

– Informar profissão.

Atenção: O cônjuge deve ter CPF individual próprio.

Se o casal for casado sob o regime da comunhão universal, da separação convencional ou participação final dos aquestos, é necessário o prévio registro do pacto antenupcial no cartório de Registro de Imóveis do domicílio dos cônjuges, ou então, pagar as despesas para que se faça tal registro juntamente ao registro da escritura de venda e compra

– Documentos dos bens imóveis urbanos:

– Certidão de matrícula ou transcrição atualizada no momento da assinatura da escritura (prazo de 30 dias a partir da data de expedição);

– Certidão de quitação de tributos imobiliários. Em algumas Prefeituras está disponível na internet;

– Capa do IPTU do ano vigente ou número do contribuinte perante a Prefeitura;

– Informar o valor da transação.

Quanto custa?

O preço da escritura é tabelado por lei em todos os cartórios do estado e varia de acordo com o valor dos bens a serem vendidos ou doados, conforme tabela própria, instituída por lei, que pode ser encontrada neste link(tabela de custas e emolumentos).

Venha para a Special Imóveis!

Anuncie conosco!

Anuncie grátis com a Special Imóveis:

Divulgação gratuita: para vender ou alugar imóveis residenciais e comerciais, anuncie grátis o seu imóvel no nosso site. É prático e rápido, basta preencher o formulário e seguir os passos seguintes.

Visibilidade: seu imóvel divulgado nos principais portais imobiliários, no nosso site e redes sociais.

Tranquilidade: Cadastro, fotos, vistoria e divulgação. Toda burocracia é por nossa conta!

Intermediação profissional: Suporte na busca de seu imóvel ideal por nossos corretores.

Praticidade nos processos: Damos todo o suporte necessário, das visitas até a elaboração do contrato e finalização do negócio.

Apoio Jurídico e segurança: oferecemos todo suporte jurídico e análise de crédito para você fechar seu negócio com tranquilidade e segurança!

Anunciar seu imóvel conosco é fácil. Temos 30 anos de experiência no mercado imobiliário com profissionais qualificados que entendem suas necessidades! Clique e anuncie: https://www.specialimoveis.com.br/anuncie

Venha para a Special Imóveis!

Quais reparos são de responsabilidade do proprietário e quais são do inquilino?

A Lei do Inquilinato em seus artigos 22 e 23, deixa bem claro quais reparos são de responsabilidade do inquilino e quais são do proprietário, buscando o equilíbrio na relação entre as duas partes. Nós da Special Imóveis, separamos os artigos para que não existam dúvidas em caso de ocorrências na locação do imóvel. Siga a leitura dos artigos abaixo!

Art. 22. O locador é obrigado a:

I – entregar ao locatário o imóvel alugado em estado de servir ao uso a que se destina;

II – garantir, durante o tempo da locação, o uso pacífico do imóvel locado;

III – manter, durante a locação, a forma e o destino do imóvel;

IV – responder pelos vícios ou defeitos anteriores à locação;

V – fornecer ao locatário, caso este solicite, descrição minuciosa do estado do imóvel, quando de sua entrega, com expressa referência aos eventuais defeitos existentes;

VI – fornecer ao locatário recibo discriminado das importâncias por este pagas, vedada a quitação genérica;

VII – pagar as taxas de administração imobiliária, se houver, e de intermediações, nestas compreendidas as despesas necessárias à aferição da idoneidade do pretendente ou de seu fiador;

VIII – pagar os impostos e taxas, e ainda o prêmio de seguro complementar contra fogo, que incidam ou venham a incidir sobre o imóvel, salvo disposição expressa em contrário no contrato;

IX – exibir ao locatário, quando solicitado, os comprovantes relativos às parcelas que estejam sendo exigidas;

X – pagar as despesas extraordinárias de condomínio.

Parágrafo único. Por despesas extraordinárias de condomínio se entendem aquelas que não se refiram aos gastos rotineiros de manutenção do edifício, especialmente:

a) obras de reformas ou acréscimos que interessem à estrutura integral do imóvel;

b) pintura das fachadas, empenas, poços de aeração e iluminação, bem como das esquadrias externas;

c) obras destinadas a repor as condições de habitabilidade do edifício;

d) indenizações trabalhistas e previdenciárias pela dispensa de empregados, ocorridas em data anterior ao início da locação;

e) instalação de equipamento de segurança e de incêndio, de telefonia, de intercomunicação, de esporte e de lazer;

f) despesas de decoração e paisagismo nas partes de uso comum;

g) constituição de fundo de reserva.

Art. 23. O locatário é obrigado a:

I – pagar pontualmente o aluguel e os encargos da locação, legal ou contratualmente exigíveis, no prazo estipulado ou, em sua falta, até o sexto dia útil do mês seguinte ao vencido, no imóvel locado, quando outro local não tiver sido indicado no contrato;

II – servir – se do imóvel para o uso convencionado ou presumido, compatível com a natureza deste e com o fim a que se destina, devendo tratá – lo com o mesmo cuidado como se fosse seu;

III – restituir o imóvel, finda a locação, no estado em que o recebeu, salvo as deteriorações decorrentes do seu uso normal;

IV – levar imediatamente ao conhecimento do locador o surgimento de qualquer dano ou defeito cuja reparação a este incumba, bem como as eventuais turbações de terceiros;

V – realizar a imediata reparação dos danos verificados no imóvel, ou nas suas instalações, provocadas por si, seus dependentes, familiares, visitantes ou prepostos;

VI – não modificar a forma interna ou externa do imóvel sem o consentimento prévio e por escrito do locador;

VII – entregar imediatamente ao locador os documentos de cobrança de tributos e encargos condominiais, bem como qualquer intimação, multa ou exigência de autoridade pública, ainda que dirigida a ele, locatário;

VIII – pagar as despesas de telefone e de consumo de força, luz e gás, água e esgoto;

IX – permitir a vistoria do imóvel pelo locador ou por seu mandatário, mediante combinação prévia de dia e hora, bem como admitir que seja o mesmo visitado e examinado por terceiros, na hipótese prevista no art. 27;

X – cumprir integralmente a convenção de condomínio e os regulamentos internos;

XI – pagar o prêmio do seguro de fiança;

XII – pagar as despesas ordinárias de condomínio.

1º Por despesas ordinárias de condomínio se entendem as necessárias à administração respectiva, especialmente:

a) salários, encargos trabalhistas, contribuições previdenciárias e sociais dos empregados do condomínio;

b) consumo de água e esgoto, gás, luz e força das áreas de uso comum;

c) limpeza, conservação e pintura das instalações e dependências de uso comum;

d) manutenção e conservação das instalações e equipamentos hidráulicos, elétricos, mecânicos e de segurança, de uso comum;

e) manutenção e conservação das instalações e equipamentos de uso comum destinados à prática de esportes e lazer;

f) manutenção e conservação de elevadores, porteiro eletrônico e antenas coletivas;

g) pequenos reparos nas dependências e instalações elétricas e hidráulicas de uso comum;

h) rateios de saldo devedor, salvo se referentes a período anterior ao início da locação;

i) reposição do fundo de reserva, total ou parcialmente utilizado no custeio ou complementação das despesas referidas nas alíneas anteriores, salvo se referentes a período anterior ao início da locação.

2º O locatário fica obrigado ao pagamento das despesas referidas no parágrafo anterior, desde que comprovadas a previsão orçamentária e o rateio mensal, podendo exigir a qualquer tempo a comprovação das mesmas.

3º No edifício constituído por unidades imobiliárias autônomas, de propriedade da mesma pessoa, os locatários ficam obrigados ao pagamento das despesas referidas no § 1º deste artigo, desde que comprovadas.

Acompanhe nosso blog e fique por dentro de todas as notícias e dicas do mercado imobiliário!

Bem vindo ao Blog da Special!

Aqui, você encontrará informações sobre, venda, compra, locação, além de diversas dicas sobre o mercado imobiliário e negociações.

Special Imóveis, nós temos o imóvel ideal para você!